Omeprazol Génesis Omeprazol bula do medicamento

Neste folheto:
1. O que é Omeprazol Génesis e para que é utilizado
2. Antes de tomar Omeprazol Génesis
3. Como tomar Omeprazol Génesis
4. Efeitos secundários possíveis
5. Como conservar Omeprazol Génesis
6. Outras informações


FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR

Omeprazol Génesis 40 mg Cápsulas gastrorresistentes
Omeprazol

Leia atentamente este folheto antes de tomar este medicamento.
-Caso ainda tenha dúvidas, fale com o seu médico ou farmacêutico.
-Este medicamento foi receitado para si. Não deve dá-lo a outros; o medicamento podeser-lhes prejudicial mesmo que apresentem os mesmos sintomas.
-Se algum dos efeitos secundários se agravar ou se detectar quaisquer efeitos secundáriosnão mencionados neste folheto, informe o seu médico ou farmacêutico.

Neste folheto:

1. O QUE É Omeprazol Génesis E PARA QUE É UTILIZADO

Omeprazol Génesis é um medicamento pertencente ao grupo dos antiulcerosos,modificadores da secreção gástrica, inibidores da bomba de protões (6.2.2.3).

Omeprazol Génesis está indicado para tratamento da úlcera duodenal, úlcera gástricabenigna), para tratamento de úlceras gástricas e duodenais ou erosões relacionadas com atoma de anti-inflamatórios não esteróides (incluindo o tratamento de manutenção paraevitar recidivas), esofagite de refluxo (incluindo o tratamento de manutenção para evitarrecidivas) e síndrome de Zollinger-Ellison (afecção caracterizada pela presença de
úlceras múltiplas e recidivantes no estômago e sobretudo no duodeno, associada a umainflamação local, a diarreia e a presença de gordura nas fezes).

Está ainda indicado no tratamento da dispepsia ácida, tratamento sintomático da doençado refluxo gastro-esofágico sintomático e em combinação com regimes terapêuticosantibacterianos adequados, na erradicação do Helicobacter pylori associado a úlcerapéptica (ver 3. Como tomar Omeprazol Génesis).

2. ANTES DE TOMAR Omeprazol Génesis

Não tome Omeprazol Génesis

-se tem alergia (hipersensibilidade) ao omeprazol ou a qualquer outro componente de
Omeprazol Génesis.

Tome especial cuidado com Omeprazol Génesis
Se ocorrer alguma das seguintes situações:

Dor ou indigestão ocorridas durante o tratamento com Omeprazol Génesis.
Se começar a vomitar sangue ou comida.
Se tiver a visão desfocada. Deve contactar imediatamente o seu médico.

Tomar Omeprazol Génesis com outros medicamentos
Informe o seu médico ou farmacêutico se estiver a tomar ou tiver tomado recentementeoutros medicamentos incluindo medicamentos obtidos sem receita médica.

Em particular, informe o seu médico se está a tomar medicamentos: utilizados notratamento de infecções fúngicas (itraconazol, cetoconazol e voriconazol), no tratamentoda ansiedade (diazepam) e epilepsia (fenitoína), na prevenção da formação de coágulossanguíneos (varfarina ou outros bloqueadores da vitamina K), no tratamento de infecçõesbacterianas (claritromicina, roxitromicina, eritromicina), no tratamento do HIV
(atazanavir) e no tratamento de doentes transplantados (tacrolimus).

Gravidez e aleitamento
Antes de tomar Omeprazol Génesis, informe o seu médico se está grávida ou pensaengravidar.
Antes de tomar Omeprazol Génesis, informe o seu médico se está a amamentar.
A utilização de Omeprazol Génesis durante a gravidez e aleitamento requer umacuidadosa avaliação do beneficio-risco.
Consulte o seu médico ou farmacêutico antes de tomar qualquer medicamento.

Condução de veículos e utilização de máquinas
Não é esperado que Omeprazol Génesis afecte a sua capacidade de conduzir ou utilizarmáquinas.

Informações importantes sobre alguns componentes de Omeprazol Génesis
Omeprazol Génesis contém lactose e sacarose na sua composição. Se o seu médico oinformou que tem intolerância a qualquer açúcar, deverá falar com ele antes de tomar estemedicamento.

3. COMO TOMAR Omeprazol Génesis?

Tomar Omeprazol Génesis sempre de acordo com as indicações do médico. Fale com oseu médico ou farmacêutico se tiver dúvidas.

O seu médico dir-lhe-á qual o número de cápsulas que deve tomar e quando o deveráfazer. A dosagem das cápsulas e a duração do tratamento dependerão do seu estado.

As cápsulas gastrorresistentes devem ser engolidas inteiras com líquido suficiente (isto éum copo de água), antes das refeições (antes do pequeno almoço ou jantar).

Para doentes com dificuldades de deglutição e para crianças que podem beber ou engoliralimentos semi-sólidos:
As cápsulas também poderão ser abertas para meio copo de água não gaseificada ou paraum líquido levemente ácido, por exemplo sumo, iogurte ou água não gaseificada. Poderábeber imediatamente nos 30 minutos seguintes. Agite sempre antes de beber. Paraassegurar que toma todo o medicamento, volte a encher o copo com água até meio e bebanovamente o líquido. Alternativamente, poderá abrir a cápsula e engolir o conteúdo com
água. Os grânulos não devem ser mastigados nem esmagados.

Para dar a medicação a crianças:
Aplica-se a crianças que podem beber ou engolir alimentos semi-sólidos. As cápsulaspoderão ser abertas para meio copo de água não gaseificada ou um líquido levemente
ácido, por exemplo sumo de fruta ou iogurte ou água não gaseificada. Irá obter umasuspensão que deve administrar à criança em 30 minutos. As partículas sólidas contêm omedicamento. Para atingir o efeito total da medicação, a criança deverá assim engolir aspartículas sem mastigá-las nem esmagá-las.

Úlcera duodenal, úlcera gástrica, esofagite de refluxo:
A dose habitual para o tratamento da úlcera duodenal é de 20 mg, uma vez ao dia,durante 2 a 4 semanas.

A dose habitual para o tratamento da úlcera gástrica benigna e da esofagite de refluxo éde 20 mg, uma vez ao dia, durante 4 a 8 semanas.

Nota: Em casos isolados de úlcera duodenal, úlcera gástrica e refluxo gastro-esofágico adose de omeprazol pode se aumentada para 40 mg uma vez ao dia.

Tratamento de manutenção da esofagite de refluxo para prevenção de recidiva:
A dose habitual de omeprazol é de 10 mg a 20 mg, dependendo da resposta clínica.

Síndrome de Zollinger-Ellison:
A dose inicial recomendada é de 60 mg por dia. O seu médico ajustará a dose de acordocom as suas necessidades e também decidirá durante quanto tempo deverá tomar o seumedicamento. Se a dose diária for superior a 80 mg deverá ser repartida por duas tomasdiárias. Em doentes com o Síndrome de Zollinger-Ellison, o tratamento não tem duraçãolimitada.

Tratamento de úlceras gástricas e duodenais ou erosões relacionadas com a toma deanti-inflamatórios não esteróides:
Para curar a úlcera causada pela toma de medicamentos, que se destinam a tratar dores eproblemas das articulações, recomenda-se 20 mg de omeprazol uma vez ao dia durante 4

a 8 semanas. A resolução dos sintomas é rápida, e na maioria dos doentes a cicatrizaçãoocorre em 4 semanas.

Tratamento de manutenção de úlceras gástricas e duodenais ou erosões relacionadas coma toma de anti-inflamatórios não esteróides para prevenção de recidivas:
Para evitar o reaparecimento da úlcera ou dores a dose usual de omeprazol é de 20 mgpor dia.

Tratamento sintomático da doença do refluxo gastro-esofágico:
A dose habitual de omeprazol é de 10-20 mg uma vez ao dia durante 2 a 4 semanas. Oseu médico poderá ajustar a dose de acordo com as suas necessidades.

Erradicação do Helicobacter pylori na úlcera péptïca:
A dose habitual de omeprazol é de 20 mg duas vezes ao dia em combinação com osantibióticos abaixo indicados:
amoxicilina 1000 mg e claritromicina 500 mg, duas vezes ao dia durante uma semana.ou
claritromicina 250 mg e metronidazol 400-500 mg, ambos duas vezes ao dia.
A duração do tratamento é de 1 semana. Para evitar o desenvolvimento de resistências aduração do tratamento não deve ser reduzida.

Se os sintomas não desaparecerem após um destes tratamentos o seu médico poderátentar outro tratamento utilizando um antibiótico diferente.

Dispepsia:
Para o alívio dos sintomas de dor ou desconforto abdominais a dose recomendada deomeprazol é de 10-20 mg uma vez ao dia. A dose deve ser ajustada individualmente.

Idosos:
Não é necessário efectuar ajustes posológicos nos idosos.

Crianças a partir dos 2 anos:
A dose recomendada é de 10 mg uma vez ao dia em crianças com peso compreendidoentre 10-20 kg e de 20 mg uma vez ao dia em crianças com peso superior a 20 kg.

Crianças com idade compreendida entre 0-24 meses:
A dose recomendada é de 10 mg uma vez ao dia em crianças com peso compreendidoentre 10 e 20 kg. Em crianças com peso inferior a 10 kg, a dose recomendada é de 1mg/kg/dia.

As crianças com idade compreendida entre 0-3 meses raramente necessitam mais do que
0,5 mg/kg/dia.

Erradicação do Helicobacter pylori em crianças a partir dos 4 anos:
Em crianças com peso compreendido entre 15-30 kg a dose usual é 10 mg de omeprazolcom amoxicilina e claritromicina, todos duas vezes ao dia durante uma semana.

Em crianças com peso compreendido entre 30-40 kg, a dose usual é 20 mg de omeprazolcom amoxicilina e claritromicïna, todos duas vezes ao dia durante uma semana.

Em crianças com peso superior a 40 kg deve ser utilizada a mesma dose recomendadapara os adultos.

Doentes com função renal ou hepática alteradas:
Os doentes com doença hepática grave raramente necessitam mais de 10 – 20 mg por dia.
A dose não necessita de ser ajustada em doentes com alterações da função renal.

Se tomar mais Omeprazol Génesis do que deveria
Se tomou um número de cápsulas superior ao recomendado, contacte imediatamente oseu médico ou farmacêutico. Embora não tenham sido observados sinais ou sintomas emdoentes que receberam doses muito elevadas de omeprazol, aconselhamos a chamarimediatamente o seu médico ou farmacêutico em caso de sobredosagem.

Doses orais diárias até 400 mg não provocaram quaisquer sintomas graves.

Caso se tenha esquecido de tomar Omeprazol Génesis
Não tome uma dose a dobrar para compensar uma dose que se esqueceu de tomar.

Caso ainda tenha dúvidas sobre a utilização deste medicamento, fale com o seu médicoou farmacêutico.

4. EFEITOS SECUNDÁRIOS POSSÍVEIS

Como todos os medicamentos, Omeprazol Génesis pode causar efeitos secundários, noentanto estes não se manifestam em todas as pessoas.

Contacte o seu médico imediatamente ou desloque-se ao hospital mais próximo se lheacontecer alguma das seguintes situações.

Efeitos secundários frequentes: diarreia, obstipação (prisão de ventre), flatulência
(possivelmente dor abdominal), náuseas, vómitos, sonolência, dificuldades emadormecer, vertigens e dor de cabeça. Na maioria destes casos os sintomas melhoramdurante a continuação do tratamento.

Efeitos secundários pouco frequentes: comichão, erupção da pele, queda de cabelo,eritema multiforme (afecção cutânea caracterizada por lesões em forma de roseta),sensibilidade à luz solar, tendência para aumento da sudação, síndrome de Stevens-
Johnson ou necrólise epidérmica tóxica (forma grave de afecção cutânea, caracterizadapor lesões extensas e por uma afecção muito importante das mucosas ? conjuntivite,estomatite, vulvovaginite, uretrite ? acompanhada por febre, dores de cabeça e falta de

apetite), edema (inchaço) periférico. Poderão ocorrer alterações da visão (por ex. visãoturva) ou do gosto.

Efeitos secundários raros: dores nas articulações e nos músculos, fraqueza muscular,sensação de formigueiro/picada, dores de cabeça, aumento dos enzimas hepáticos,alterações no sangue (redução do número das células no sangue, p. ex. diminuição donúmero de glóbulos brancos, de plaquetas ou mesmo ausência de glóbulos brancos, e deoutras células sanguíneas). Poderão ocorrer casos de confusão mental e alucinações,sobretudo em doentes em estado muito grave.

Efeitos secundários muito raros: secura de boca, inflamação da boca, infecções porfungos do tubo digestivo, problemas de rim e fígado (por ex. inflamação dos rins,hepatite com ou sem icterícia, alteração da função do fígado), urticária (doença da pelecaracterizada pelo aparecimento de placas vermelhas em relevo, muitas vezes causandosensação de comichão), dermatite, febre, inchaço, broncoconstrição, reacção alérgicagrave (choque anafilático), encefalopatia, desenvolvimento das mamas nos homens ealteração dos níveis de sal sanguíneos (níveis baixos de sódio). Poderão ocorrer casos deagitação, agressividade e depressão, sobretudo em doentes em estado muito grave.

Se algum dos efeitos secundários se agravar ou se detectar quaisquer efeitos secundáriosnão mencionados neste folheto, informe o seu médico ou farmacêutico.

5. COMO CONSERVAR Omeprazol Génesis

Não conservar acima de 25ºC.

Mantenha sempre as cápsulas na embalagem de origem, uma vez que as cápsulas de
Omeprazol Génesis são sensíveis à humidade.

Manter fora do alcance e da vista das crianças.

Não utilize Omeprazol Génesis após o prazo de validade impresso na embalagemexterior. O prazo de validade corresponde ao último dia do mês indicado.

Os medicamentos não devem ser eliminados na canalização ou no lixo doméstico.
Pergunte ao seu farmacêutico como eliminar os medicamentos de que já não necessita.
Estas medidas irão ajudar a proteger o ambiente.

6. OUTRAS INFORMAÇÕES

Qual a composição de Omeprazol Génesis
-A substância activa é 40 mg de omeprazol por cápsula.
-Os outros componentes são: lactose, hipromelose, hidroxipropilcelulose, laurilsulfato desódio, fosfato dissódico dodeca-hidratado, ftalato de etilo, ftalato de hipromelose,

grânulos neutros de sacarose e amido, gelatina, água, carmim de índigo (E132), eritrosina
(E127) e e dióxido de titânio (E171).

Qual o aspecto de Omeprazol Génesis e conteúdo da embalagem
As cápsulas são opacas, de cor vermelho/branco, contendo grânulos gastrorresistentes, decor branca a ligeiramente bege, arredondados e lisos.

Omeprazol Génesis encontra-se disponível em embalagens contendo 14, 28 ou 56cápsulas, apresentado-se em blister.

É possível que não sejam comercializadas todas as apresentações.

Titular da Autorização de Introdução no Mercado e Fabricante

Titular da Autorização de Introdução no Mercado
Génesis – Médico Farmacêutica, Lda.
Rua Jorge Barradas, 18 A e B
1500 – 370 Lisboa

Fabricante
LABORATÓRIO MEDINFAR – PRODUTOS FARMACÊUTICOS, S. A.
Rua Henrique Paiva Couceiro, nº. 29
Venda Nova, 2700 ? 451 Amadora

e

FARMALABOR ? PRODUTOS FARMACÊUTICOS, Lda.
Zona Industrial de Condeixa-a-Nova
3150-194 Condeixa-a-Nova

Este folheto foi aprovado pela última vez em