Ropivacaína Kabi Ropivacaína bula do medicamento

Neste folheto:
1. O que é Ropivacaína Kabi e para que é utilizado
2. Antes de utilizar Ropivacaína Kabi
3. Como utilizar Ropivacaína Kabi
4. Efeitos secundários possíveis
5. Como conservar Ropivacaína Kabi
6. Outras informações


FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR

Ropivacaína Kabi 2 mg/mL solução injectável
Ropivacaína Kabi 7,5 mg/mL solução injectável
Ropivacaine Kabi 10 mg/mL solução injectável

Cloridrato de ropivacaína

Leia atentamente este folheto antes de utilizar este medicamento.
Conserve este folheto. Pode ter necessidade de o reler.
Caso ainda tenha dúvidas, fale com o seu médico ou farmacêutico.
Este medicamento foi receitado para si. Não deve dá-lo a outros; o medicamento podeser-lhes prejudicial mesmo que apresentem os mesmos sintomas.
Se algum dos efeitos secundários se agravar ou se detectar quaisquer efeitos secundáriosnão mencionados neste folheto, informe o seu médico ou farmacêutico.

Neste folheto:

1. O QUE É ROPIVACAÍNA KABI E PARA QUE É UTILIZADO

Ropivacaína Kabi contém como substância activa o cloridrato de ropivacaína quepertence a um grupo de medicamentos denominados anestésicos locais. Estes sãosubstâncias químicas que são utilizadas para anestesiar uma zona do corpo.

Ropivacaína Kabi 2 mg/mL solução injectável é utilizada:
– em adultos e adolescentes (> 12 anos de idade) para
– aliviar a dor por exemplo durante o parto ou após uma cirurgia.
– em crianças dos 0 aos 12 anos para
– aliviar a dor durante ou após uma cirurgia.

Ropivacaína Kabi 7,5 mg/mL / 10 mg/mL solução injectável é utilizada para:
– em adultos e adolescentes (> 12 anos de idade) para
– atenuar a dor (anestesiar) partes específicas do corpo durante pequena e grande cirurgia,incluindo durante o parto ou cesariana.

2. ANTES DE UTILIZAR ROPIVICAÍNA KABI

Não lhe deve ser administrada Ropivacaína Kabi

– se tem alergia (hipersensibilidade) ao cloridrato de ropivacaína, a outros anestésicoslocais de tipo amida ou a qualquer outro componente de Ropivacaína Kabi.
– se tem uma diminuição do volume de sangue (hipovolémia). Esta situação é avaliadapor um profissional de saúde.
– por injecção num vaso sanguíneo para anestesiar uma área específica do seu corpo.
– por injecção no colo do útero para aliviar a dor durante o parto.

Tome especial cuidado com Ropivacaína Kabi
Deve ser tomado especial cuidado para evitar qualquer injecção de Ropivacaína Kabidirectamente num vaso sanguíneo para prevenir quaisquer efeitos tóxicos imediatos. Ainjecção não deve ser realizada em zonas inflamadas.

Por favor informe o seu médico:
– se tem um mau estado geral de saúde devido à sua idade ou a outros factores.
– se tem problemas cardíacos (bloqueio parcial ou total da condução cardíaca).
– se tem problemas hepáticos em estado avançado
– se tem problemas renais graves
Informe o seu médico se tem qualquer um destes problemas porque o seu médico poderáter de ajustar a dose de Ropivacaína Kabi.

Por favor informe o seu médico:
– se sofre de porfíria aguda (problemas em produzir pigmento vermelho do sangue, porvezes resultando em sintomas neurológicos).
Informe o seu médico se você ou se alguém da sua família tem porfíria porque o seumédico poderá ter necessidade de utilizar outro anestésico

Ao utilizar Ropivacaína Kabi com outros medicamentos
Informe o seu médico ou outro profissional de saúde se estiver a tomar ou tiver tomadorecentemente outros medicamentos, incluindo medicamentos obtidos sem receita médica.

Deve ser tida precaução especial se estiver a ser tratado com:
Outros anestésicos locais (ex. lidocaína) ou agentes estruturalmente relacionados comanestésicos locais de tipo amida, por ex. certos medicamentos utilizados para tratar obatimento cardíaco irregular (arritmia), como mexiletina ou amiodarona.
Anestésicos gerais ou opióides, como a morfina ou codeína
– Medicamentos utilizados para tratar a depressão (ex. fluvoxamina)
– Certos antibióticos (ex. enoxacina)

Gravidez e aleitamento
Antes de lhe administrarem Ropivacaína Kabi informe o seu médico se está grávida, seestá a planear ficar grávida, ou se está a amamentar. Não se sabe se o cloridrato deropivacaína afecta a gravidez ou se passa para o leite materno.

Consulte o seu médico ou farmacêutico antes de tomar qualquer medicamento.

Condução de veículos e utilização de máquinas

Ropivacaína Kabi pode fazê-lo sentir-se sonolento e pode afectar a velocidade das suasreacções. Depois de lhe administrarem Ropivacaína Kabi não conduza nem utilizequaisquer ferramentas ou máquinas até ao dia seguinte.

Fale com o seu médico ou farmacêutico se tiver dúvidas.

Informações importantes sobre alguns componentes de Ropivacaína Kabi
Este medicamento contém um máximo de 0,148 mmol (ou 3,4 mg) de sódio por mL. Estasituação deve ser tida em consideração em doentes com ingestão controlada de sódio.

3. COMO UTILIZAR ROPIVACAÍNA KABI

Modo de administração
O seu médico irá administrar-lhe Ropivacaína Kabi. É administrado por injecção.

Dosagem
A dose utilizada irá depender da razão pela qual está a ser utilizada e também depende dasua saúde, idade e peso. Deve ser utilizada a menor dose que pode produzir efeitoatenuador da dor (anestesia) na área requerida.
A dose habitual
– para adultos e adolescentes com mais de 12 anos de idade é entre 2 mg e 300 mg decloridrato de ropivacaína.
– em crianças (dos 0 e até aos 12 anos, inclusive) é 1-2 mg por cada quilograma de pesocorporal.

Duração do tratamento
A administração de cloridrato de ropivacaína normalmente leva entre 2 a 10 horas emcaso de anestesia antes de determinadas cirurgias e pode levar até 72 horas em caso dealívio da dor durante ou após cirurgia.

Se lhe foi administrada mais Ropivacaína Kabi do que deveria
Os primeiros sintomas de lhe ser administrado demasiado cloridrato de ropivacaína sãonormalmente problemas relacionados com
– audição e visão
– dormência à volta da boca
– tonturas e sensação de cabeça vazia
– formigueiro
– perturbaçõesdo discurso caracterizadas por má articulação (disartria)
rigidez muscular, espasmos musculares, ataques (convulsões)
Pressão arterial baixa
– batimento cardíaco baixo ou irregular.
Estes sintomas podem preceder uma paragem cardíaca, paragem respiratória ouconvulsões graves.

Se sentir algum destes sintomas, ou se pensa que lhe foi administrada uma doseexagerada de Ropivacaína Kabi, informe o seu médico ou profissional de saúdeimediatamente.

Em caso de toxicidade aguda, as medidas correctivas apropriadas irão ser tomadas deimediato pelos profissionais de saúde.

Caso ainda tenha dúvidas sobre a utilização deste medicamento, fale com o seu médicoou farmacêutico.

4. EFEITOS SECUNDÁRIOS POSSIVEIS

Como todos os medicamentos, Ropivacaína Kabi pode causar efeitos secundários, noentanto estes não se manifestam em todas as pessoas.

A avaliação dos efeitos secundários é baseada nas seguintes frequências:

muito frequentes:
afectam mais do que um doente em 10
frequentes:

afectam 1 a 10 doentes em 100
pouco frequentes:
afectam 1 a 10 doentes em 1000
raros:

afectam 1 a 10 doentes em 10000
muito raros:
afectam menos de 1 doente em 10000
desconhecido:

não pode ser calculado a partir dos dados
disponíveis

Efeitos secundários importantes a ter em atenção:
Reacções alérgicas repentinas que ponham em risco a vida (como anafilaxia, edemaangioneurótico e urticária) são raras. Sintomas possíveis incluem:
– início súbito de erupção cutânea,
– comichão ou erupção com pápulas (urticária),
– inchaço da face, lábios, língua ou outras partes do corpo,
– falta de ar, pieira ou dificuldade em respirar.
Se pensa que Ropivacaína Kabi está a causar uma reacção alérgica, informeimediatamente o seu médico ou farmacêutico.

Outros efeitos secundários possíveis:

Muito frequentes:
Pressão arterial baixa (hipotensão). Isto pode fazer com que sinta tonturas ou sensação decabeça vazia
Sentir-se enjoado (náuseas)

Frequentes:
Cefaleias, formigueiro (parestesias), tonturas

Batimento cardíaco lento ou rápido (bradicardia, taquicardia)
Pressão arterial elevada (hipertensão)
Estar mal-disposto (vómitos)
Dificuldade em urinar (retenção urinária)
Dor de costas, aumento da temperatura, rigidez muscular (tremores)

Pouco frequentes
Ansiedade
Alguns sintomas podem ocorrer se a injecção foi dada num vaso sanguíneo por engano,ou se lhe administraram uma dose exagerada de Ropivacaína Kabi (ver também secção 3
?Se lhe foi administrada mais Ropivacaína Kabi do que deveria?acima). Estes sintomasincluem ataques (convulsões), sensação de tontura ou de cabeça vazia, dormência doslábios e à volta da boca, dormência da língua, problemas de audição, problemas com asua vista (visão), problemas com a sua fala (disartria), espasmos musculares e tremores,sensação reduzida de toque (hipoestesia)
Desmaio (síncope)
Dificuldade em respirar (dispneia)
Temperatura corporal baixa

Raros
Paragem cardíaca, batimento cardíaco irregular (arritmias cardíacas)

Possíveis efeitos secundários observados com outros anestésicos locais que podemtambém ser causados por Ropivacaína Kabi incluindo:
Dormência, devido a irritação dos nervos causada pela agulha ou pela injecção. Istonormalmente não demora muito tempo.
Nervos danificados. Raramente, pode causar problemas permanentes.
Se for administrada uma dose exagerada de Ropivacaína Kabi no líquido espinal, todo ocorpo pode ficar dormente (anestesiado).

Bebés e crianças
Em bebés e crianças, os efeitos secundários são os mesmos que nos adultos exceptuandoa baixa pressão arterial que ocorre menos frequentemente em bebés e crianças (afectandomenos de 1 em 10 bebés e crianças) e os vómitos que ocorrem mais frequentemente embebés e crianças (afectando mais do que 1 em 10 bebés e crianças)

Se algum dos efeitos secundários se agravar ou se detectar quaisquer efeitos secundáriosnão mencionados neste folheto, informe o seu médico ou farmacêutico.

5. COMO CONSERVAR ROPIVACAÍNA KABI

Manter fora do alcance e da vista das crianças.

Não utilize Ropivacaína Kabi após o prazo de validade impresso após VAL no blister,ampola ou caixa de cartão.

O prazo de validade corresponde ao último dia do mês indicado.
Não refrigerar ou congelar.

Não utilize Ropivacaína Kabi se verificar qualquer precipitação na solução injectável.

O seu médico ou o hospital irão armazenar normalmente Ropivacaína Kabi e sãoresponsáveis pela qualidade do produto após a abertura, se não for utilizadoimediatamente. São também responsáveis pela eliminação correcta de qualquer
Ropivacaína Kabi não utilizada.

Os medicamentos não devem ser eliminados na canalização ou no lixo doméstico.
Pergunte ao seu farmacêutico como eliminar os medicamentos de que já não necessita.
Estas medidas irão ajudar a proteger o ambiente.

6. OUTRAS INFORMAÇÕES

Qual a composição de Ropivacaína Kabi

A substância activa é cloridrato de ropivacaína 2 mg/mL/7,5 mg/mL/10 mg/mL. Cadaampola de polipropileno de 10 mL contém 20 mg /75 mg /100 mg de ropivacaína (comocloridrato).
Cada ampola de polipropileno de 20 mL contém 40 mg/ 150 mg/ 200 mg de ropivacaína
(como cloridrato).
Os outros componentes são cloreto de sódio, ácido clorídrico (para ajuste de pH),hidróxido de sódio (para ajuste de pH), e água para preparações injectáveis.

Qual o aspecto de Ropivacaína Kabi e conteúdo da embalagem

Ropivacaína Kabi solução injectável é uma solução injectável límpida e incolor.
Ropivacaína Kabi 2 mg/mL/7,5 mg/mL/10 mg/mL solução injectável está disponível emampolas transparentes de polipropileno de 10 mL e 20 mL.

Apresentações:
1, 5, 10 ampolas
1, 5, 10 ampolas em blister

É possível que não sejam comercializadas todas as apresentações.

Titular da Autorização de Introdução no Mercado e Fabricante

Fresenius Kabi Pharma Portugal, Lda.
Avenida do Forte 3, Edifício Suécia III, Piso 2
2790-073 Carnaxide
Tel: 214 214 241 280
Fax: 214 214 241 290

Email: [email protected]
Este medicamento encontra-se autorizado nos Estados Membros do Espaço Económico
Europeu (EEE) sob as seguintes denominações:>

Inserir os nomes e EM

Este folheto foi aprovado pela última vez em

A informação que se segue destina-se apenas aos médicos e aos profissionais doscuidados de saúde:

Manuseamento
Ropivacaína Kabi só deve ser utilizada por médicos com experiência em anestesia loco-
regional, ou sob a sua supervisão (ver secção 3).

Prazo de validade
Prazo de validade antes da abertura
2 anos

Prazo de validade após abertura
De um ponto de vista microbiológico, o medicamento deve ser utilizado imediatamente.
Se não for utilizado imediatamente, os tempos e condições de conservação antes dautilização são da responsabilidade do utilizador e não deverão normalmente exceder 24horas a temperaturas entre 2 a 8ºC.
Os produtos Ropivacaína Kabi não contêm conservantes e são destinados a uma únicautilização. Qualquer solução não utilizada deve ser eliminada.

O medicamento deve ser inspeccionado visualmente antes do uso. Utilizar apenassoluções límpidas, livres de partículas e recipientes não danificados.

A embalagem intacta não deve ser re-autoclavada. Se for requerido um exterior estérildeve ser escolhida uma ampola em blister.

Posologia
Adultos e adolescentes (>12 anos de idade)
A tabela seguinte é um guia para a dosagem para os bloqueios geralmente mais utilizadosem adultos. Deve ser utilizada a menor dose necessária para produzir um bloqueioefectivo. A experiência do médico e o estado físico do doente são de importância quandose decide a dose.

Concentração Volume
Dose
Início de Duração
mg/mL
mL
mg
acção
horas
minutos
ANESTESIA CIRÚRGICA

Administração epidural lombar

Cirurgia 7,5
15-25
113-188
10-20
3-5
10,0
15-20
150-200
10-20
4-6
Cesariana 7,5
15-20
113-1501) 10-20 3-5
Administração epidural

torácica
Para estabelecer bloqueio para 7,5 5-15
38-113 10-20 n/a2)
o alívio da dor pós-operatória
(dependentedo nível deinjecção)
Bloqueio de Nervos Major*

Bloqueio do plexo braquial
7,5
30-40
225-3003) 10-25 6-10
Bloqueio de campo

(por ex. bloqueio de nervos 7,5 1-30
7,5-225
1-15
2-6
minor e infiltração)
CONTROLO DA DOR

AGUDA
Administração epidural lombar

Bólus 2,0
10-20
20-40
10-15
0,5-1,5
Injecções intermitentes (top- 2,0 10-15
20-30

up) (por ex. controlo da dor de
(intervalo
parto)
mínimo 30minutos)
Perfusão contínua, por ex.
2,0 6-10
mL/h
12-20
n/a n/a
Dor de parto
mg/h
Controlo da dor pós-operatória 2,0
6-14 mL/h
12-28
n/a n/a
mg/h
Administração epidural

torácica
Perfusão contínua
2,0 6-14
mL/h
12-28
n/a n/a
(Controlo da dor pós-
mg/h
operatória)
Bloqueio de campo

(por ex. bloqueio de nervos 2,0 1-100
2,0-200
1-5
2-6
minor e infiltração)
Bloqueio de nervos periféricos

(bloqueio femoral ouinterescaleno)
Perfusão contínua ou injecções 2,0 5-10
mL/h
10-20
n/a n/a
intermitentes (Controlo da dor
mg/h
pós-operatória)

As doses na tabela são aquelas consideradas necessárias para produzir um bloqueio bemsucedido e devem ser entendidas como linhas de orientação para a utilização em adultos.
Ocorrem variações individuais no início de acção e na duração. Os números na coluna
?Dose? reflectem o intervalo das doses médias que se prevêem ser necessárias. Deve serconsultada literatura de referência, tanto em relação aos factores que afectam técnicas debloqueio específicas como aos requisitos individuais dos doentes.

* Em relação ao bloqueio de nervos major, só se pode fazer uma recomendação de dosepara o bloqueio do plexo braquial. Para outros bloqueios de nervos major podem sernecessárias doses mais baixas. No entanto, presentemente não existe experiência derecomendações de doses específicas para outros bloqueios.
1) Devem ser aplicadas dosagens incrementais, com uma dose inicial de cerca de 100 mg
(97,5 mg = 13 mL; 105 mg = 14 mL) para ser administrada durante 3-5 minutos. Duasdoses extra, num total de 50 mg, podem ser administradas conforme necessário.
2) n/a = não aplicável
3) A dose para um bloqueio de nervo major deve ser ajustada de acordo com o local deadministração e com o estado do doente. Os bloqueios dos plexos braquiais interescalenoe supraclavicular podem estar associados com frequências mais elevadas de reacçõesadversas graves, independentemente do anestésico local utilizado.

Em geral, a anestesia cirúrgica (por ex. administração epidural) requer o uso deconcentrações e doses mais elevadas. A formulação da Ropivacaína Kabi 10 mg/mL érecomendada para anestesia epidural em que um bloqueio motor completo é essencialpara a cirurgia. Para analgesia (por ex. administração epidural para o controlo da doraguda) são recomendadas concentrações e doses mais baixas.

Modo de administração
Administração por injecção perineural e epidural.

Recomenda-se uma aspiração cuidadosa antes e durante a injecção para prevenir injecçãointravascular.
Quando se pretende injectar uma grande dose, é recomendada uma dose de teste de 3-
5 mL de lidocaína a 2% (lignocaína) com adrenalina (epinefrina) 1:200000. Umainjecção intravascular inadvertida pode ser reconhecida por um aumento temporário nafrequência cardíaca, e uma injecção intratecal acidental pelos sinais de bloqueio espinal.

A aspiração deve ser realizada antes e durante a administração da dose principal, a qualdeve ser injectada lentamente ou em doses incrementais, numa taxa de 25-50 mg/min,enquanto se observam atentamente as funções vitais do doente e se mantém o contactoverbal. Se ocorrerem sintomas tóxicos, a injecção deve ser parada imediatamente.

No bloqueio epidural para cirurgia, doses únicas até 250 mg de cloridrato de ropivacaínatêm sido utilizadas e bem toleradas.

No bloqueio do plexo braquial uma dose única de 300 mg tem sido utilizada num númerolimitado de doentes e foi bem tolerada.

Quando são utilizados bloqueios prolongados, quer através de perfusão contínua ouatravés de administração repetida por bólus, os riscos de atingir uma concentraçãoplasmática tóxica ou de induzir lesões nervosas locais devem ser considerados. Dosescumulativas de até 675 mg de cloridrato de ropivacaína para cirurgia e analgesia pós-
operatória administradas ao longo de 24 horas foram bem toleradas em adultos, bemcomo as perfusões contínuas pós-operatórias em taxas até 28 mg/hora durante 72 horas.
Num número limitado de doentes doses mais elevadas de até 800 mg/dia têm sidoadministradas com relativamente poucas reacções adversas.

Para o tratamento da dor pós-operatória, pode ser recomendada a seguinte técnica: Amenos que seja instituído no pré-operatório, um bloqueio epidural é induzido com
7,5 mg/mL de Ropivacaína Kabi através de um catéter epidural. A analgesia é mantidacom uma perfusão de Ropivacaína Kabi 2 mg/mL . Taxas de perfusão de 6-14 mL (12-28mg) por hora proporcionam uma analgesia adequada com um bloqueio motor apenasligeiro e não progressivo na maior parte dos casos de dor pós-operatória moderada agrave. A duração máxima do bloqueio epidural é 3 dias. Contudo, o efeito analgésicodeve ser controlado atentamente de maneira a retirar o catéter logo que a condição de doro permita, Com esta técnica tem sido observada uma redução significativa da necessidadede opióides.

Em ensaios clínicos uma perfusão de 2 mg/mL de cloridrato de ropivacaína emmonoterapia ou misturado com 1-4 µg/mL de fentanilo tem sido administrada para ocontrolo da dor pós-operatória até 72 horas. A combinação do cloridrato de ropivacaínacom fentanilo proporciona uma melhoria no alívio da dor mas causou efeitos secundáriosopióides. A combinação do cloridrato de ropivacaína com fentanilo tem sido investigadaapenas para cloridrato de ropivacaína a 2 mg/mL.

Quando são aplicados bloqueios prolongados dos nervos periféricos, quer através deperfusão contínua ou através de injecções repetidas, os riscos de atingir umaconcentração plasmática tóxica ou de induzir lesões nervosas locais devem serconsiderados. Em ensaios clínicos, o bloqueio do nervo femoral foi estabelecido com
300 mg de cloridrato de ropivacaína 7,5 mg/mL e o bloqueio interescaleno com 225 mgde cloridrato de ropivacaína 7,5 mg/mL, respectivamente, antes da cirurgia. A analgesiafoi então mantida com cloridrato de ropivacaína a 2 mg/mL. Taxas de perfusão ouinjecções intermitentes de 10-20 mg por hora durante 48 horas proporcionaram analgesiaadequada e foram bem toleradas.

Concentrações acima de 7,5
mg/mL de cloridrato de ropivacaína não foram
documentadas na cesariana.

Doentes Pediátricos (0 a ?12 anos de idade)

Concentração
Volume
Dose
mg/mL
mL/kg
mg/kg
CONTROLO DA DOR AGUDA

(peri- e pós-operatória)
Bloqueio epidural caudal único
2,0
1
2
Bloqueia abaixo da T12, em doentes

pediátricos com uma peso corporal até
25 kg
Perfusão epidural continua

Em doentes pediátricos com uma pesocorporal até 25 kg
0-6
meses

Dose em bólusa 2,0
0,5-1
1-2
Perfusão até 72 horas
2,0
0,1 mL/kg/h
0,2 mL/kg/h
6-12
meses

Dose em bólusa 2,0
0,5-1
1-2
Perfusão até 72 horas
2,0
0,2 mL/kg/h
0,4 mL/kg/h
1-12
anos

Dose em bólusb 2,0
1
2
Perfusão até 72 horas
2,0
0,2 mL/kg/h
0,4 mL/kg/h
As doses na tabela devem ser consideradas como linhas de orientação para a utilizaçãoem pediatria. Ocorrem variações individuais. Em crianças com um peso corporal elevado
é muitas vezes necessário efectuar uma redução gradual da dosagem, que deverá serbaseada no peso corporal ideal. O volume do bloqueio epidural caudal único e o volumedas doses de bólus epidural não deve exceder os 25 mL em nenhum doente. Deve serconsultada literatura de referência, tanto em relação aos factores que afectam as técnicasde bloqueio específicas como aos requisitos individuais dos doentes.

a São recomendadas doses no limite inferior do intervalo de doses para bloqueiosepidurais torácicos, enquanto que são recomendadas doses no limite superior do intervalode doses para bloqueios epidurais caudais ou lombares.b Recomendada para bloqueios epidurais lombares. É boa prática reduzir as doses embólus para analgesia epidural torácica.

O uso do cloridrato de ropivacaína em bebés recém-nascidos prematuros ainda não foiestudado, independentemente da via de administração.

Modo de administração

Administração epidural por injecção

Recomenda-se uma aspiração cuidadosa antes e durante a injecção para evitar a injecçãointravascular. As funções vitais do doente devem ser cuidadosamente observadas durantea injecção. Se ocorrerem sintomas tóxicos, a injecção deve ser parada de imediato.
Uma única injecção epidural caudal de ropivacaína 2 mg/mL produz uma analgesia pós-
operatória adequada abaixo da T12 na maioria dos doentes, quando se utiliza uma dosede 2 mg/kg num volume de 1 mL/kg. O volume da injecção epidural caudal poderá serajustado para se atingir uma distribuição diferente do bloqueio sensorial, comorecomendado pela literatura de referência. Foram estudadas doses até 3 mg/kg de umaconcentração de cloridrato de ropivacaína a 3 mg/mL em crianças com idade superior a 4anos de idade. No entanto, esta concentração está associada a uma incidência maiselevada do bloqueio motor.

Recomenda-se o fraccionamento da dose calculada do anestésico local,independentemente da via de administração.

Caso seja recomendada a perfusão de cloridrato de ropivacaína pode ser utilizada
Ropivacaína Kabi solução para perfusão.

Incompatibilidades
Na ausência de estudos de compatibilidade, este medicamento não deve ser misturadocom outros medicamentos.
Pode ocorrer precipitação em soluções alcalinas já que o cloridrato de ropivacaínademonstra baixa solubilidade em pH > 6.0.

Eliminação
Os produtos não utilizados ou os resíduos devem ser eliminados de acordo com asexigências locais.